Melhores de 2008 – Atriz

art01

Meryl Streep já podia muito bem estar aposentada. Sério, a mulher tem uma carreira impecável, milhões de prêmios, é uma unânimidade e já fez tudo que é tipo de filme. Se não bastasse um grande sucesso chamado O Diabo Veste Prada (que, convenhamos, tem quase todo seu encanto na figura da atriz) que lhe rendeu mais uma indicação ao Oscar, ela inventou de soltar a voz em um musical. Em Mamma Mia! surpreendeu mais uma vez – parece ter ficado dez anos mais jovem, canta de forma exemplar e sabe os tons certos de sua atuação. Presente maravilhoso dessa grande atriz. Normalmente não costumo dar muito destaque para interpretações comédia/musical, mas fui completamente conquistado por essa sua aparição, onde novamente conseguiu ser a grande estrela de um filme totalmente simples e descontraído. É por momentos como em que canta The Winner Takes It All, que a escolho como a melhor atriz de 2008. E, sim, podem criticar a minha escolha! Hahaha. VITÓRIAS ANTERIORES: Melhor Atriz Coadjuvante em 2006 por O Diabo Veste Prada. INDICAÇÕES ANTERIORES: Melhor Atriz Coadjuvante em 2006 por A Última Noite e Melhor Atriz Coadjuvante em 2007 por Leões e Cordeiros.

Julianne Moore, como a “Mulher do Médico”, em Ensaio Sobre a Cegueira

juliannemooreA bela Julianne Moore teve um grande retorno com Ensaio Sobre a Cegueira. O que justamente me conquistou em seu trabalho foi que a abordagem que atriz deu ao papel foi totalmente diferente da que eu imaginava. Ela não se aproveita de cenas mais intensas para demonstrar seu talento (e poderia muito bem fazer isso), conquista com baixos tons de voz e olhares significativos. Como a única pessoa que enxerga no meio de um manicômio cheio de cegos, Julianne conseguiu segurar o filme durante o tempo inteiro. Considero sua atuação até um pouco subestimada, já que outros aspectos do longa foram mais destacados e pouco se falou dela. Ela pode até não ter uma carreira exemplar nos últimos tempos, mas sabe acertar muito bem quando quer. O seu trabalho aqui é um exemplo disso.

Laura Linney, como Wendy Savage, em A Família Savage

lauralinneyLaura Linney faz parte daquele grupo de atores que “um dia vai ganhar Oscar”, composto também por Kate Winslet e Johnny Depp. Extremamente versátil, Linney achou em A Família Savage o melhor desempenho de sua carreira. Certamente é o papel mais complexo que ela já enfrentou, e também o mais dramático. Por mais que ela atue ao lado de outro grande ator do mesmo calibre que ela (Philip Seymour Hoffman, de Capote), não se intimidou, e até levou Hoffman para o escanteio. Pena que o filme não teve a repercussão que merecia e que muita gente enxergue o trabalho de Linney nesse filme como “convencional”. O papel não tem nada de muito “difícil” se comparada aos outros desempenhos desse ano, mas é por fazer muito com pouco que Linney teve marcante atuação.

Julie Christie, como Fiona Anderson, em Longe Dela

juliechristieÉ certo que Longe Dela é um dos melhores filmes já feitos sobre o mal de Alzheimer, mas Christie fica um pouco aquém das concorrentes da lista justamente por não possuir a “emoção” da trama – que está concentrada na real figura protagonista do longa, o marido Grant, interpretado por Gordon Pinsent. Contudo, é praticamente impossível resistir ao charme da atriz. Envelheceu lindamente, mantendo grande elegância. Na realidade ela não consegue maiores momentos no filme e molda sua personagem de forma muito singela, mas por isso mesmo sincera. Sua interpretação é cheia de méritos sim, especialmente por causa da presença de Christie, que hipnotiza com sua naturalidade ao proferir palavras e encanta com suas expressões de uma grande veterana.

Cate Blanchett, como rainha Elizabeth I, em Elizabeth – A Era de Ouro

cateblanchettMuita gente vai me apedrejar por acrescentar a Cate Blanchett nessa lista, especialmente porque quase ninguém gostou de A Era de Ouro. Mas como bem a minha crítica disse, sou um defensor do filme e especialmente de Blanchett. Óbvio que não posso negar que a rainha Elizabeth dela é calcada em imitações visíveis e até em alguns exageros; porém, por alguma razão misteriosa, Blanchett encanta toda vez que entra em cena e cada minuto dela é um sopro de frescor a um longa um pouco sem vida. O que também vale ressaltar é que Blanchett se beneficiou bastante por causa do roteiro, que dessa vez preferiu dar um tom mais humano para a personagem. INDICAÇÕES ANTERIORES: Melhor Atriz Coadjuvante em 2007 por Notas Sobre Um Escândalo.

Os visitantes concordaram com a escolha do Cinema e Argumento e também elegeram Mamma Mia! como o melhor na categoria. Abaixo, a opinião dos votantes na pesquisa realizada.

1. Meryl Streep – Mamma Mia! (8 votos, 32%)

2. Julianne Moore – Ensaio Sobre a Cegueira (6 votos, 24%)

3. Laura Linney – A Família Savage (6 votos, 24%)

4. Julie Christie – Longe Dela (5 votos, 20%)

5. Cate Blanchett – Elizabeth: A Era de Ouro (0 votos, 0%)

12 comentários em “Melhores de 2008 – Atriz

  1. Pingback: Melhores de 2009 – Atriz « Cinema e Argumento

  2. Vinícius, eu gosto da Blanchett em “Elizabeth – A Era de Ouro” =)

    Weiner, é exatamente pelo que você disse que eu dei o meu prêmio para a Meryl Streep!

    Pedro, a Laura está ótima mesmo, no melhor desempenho da carreira dela!

    Lucas, eu gosto de Julie Christie, mas ela foi a minha terceira favorita nessa lista.

    Rafael, e eu acho que Ellen Page interpreta a si mesma em “Juno”. Não vi nada de empenho ou de especial na atuação dela.

    Louis, Ellen Page ficou longe de aparecer aqui na minha lista…

    Kau
    , sempre Meryl \o/

    Lucas, achei Meryl muito cativante em “Mamma Mia”!

    Alex, ¬¬

  3. “Melhor Atriz: Meryl Streep, em “Mamma Mia”. Hã? KKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  4. concordo c o q disse sobre a streep. ela em mamma mia! parece mesmo mto jovem, nao so fisicamente, mas ela expressava bem estar, alegria. e em duvida, acabei me apaixonando de vez pelo trabalho dela. ;-)

  5. Coragem, amigo! Ninguém massacrou ainda!! \o/\o/\o/

    Eu acho Mamma Mia! uma delícia e Meryl brilha, de fato. Mas não entrou na minha lista, Matt. Desta sua, fico com Julie Christie; excepcional num papel dificílimo.

    Abs!

  6. Querido Matheus, sabes que adoro joguinhos e top fives, neh? huahuahuahua

    Gostei muito de todas as suas cinco finalistas, mas fico com Laura Linney, uma atriz excepcional em completa sintonia com a personagem em The Savages!

    E tb senti falta de Ellen Page! =/

    Abraço!

  7. Tá certo que a Meryl Streep é uma grande atriz e praticamente tudo que ela faz é bem atuado e tal, mas daí acho um exagero reconhecer o trabalho dela por um papel tão caricato e sem grandes nuances. Ela faz o que pode para parecer interessante, e consegue, mas ser a melhor do ano? Acho um grande exagero. Fico com a sensibilidade e o minimalismo de Julie Christie, já que minha favorita, Ellen Page, nem parace na lista.

    Valeu!

  8. Achei muito legal você lmebrar da Meryl aqui. Deve saber que eu acho ela a luz de “Mammma Mia!”, e se não contassem com ela para viver a protagonista, teriam um filme muito ruim. Ninguém é tão cheio de personalidade em Hollywood; como uma mulher prestes a fazer 60 anos tem todo este pique, todo este talento? Não é para qualquer uma.
    E gostei das outras indicadas, inclusive a Blanchett, que ao meu ver teve sim uma atuação digna de lembrança em “Elizabeth: A Era de Ouro”.

  9. Discordo forte da Cate Blanchett aqui. Para mim ela está muito caricata, mesmo sendo a melhor coisa do filme em questão. Ela não faz mais que o básico e não merece ser reconhecida por isso. Mas concordo quanto às demais, todas tiveram grandes atuações.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: