Independent, Board, New York

Sempre gosto de dizer que prêmios de associações não querem dizer nada em relação ao Oscar, principalmente em categorias de atuação. Aliás, só acho válido fazer apostas consistentes lá na época dos indicados ao BAFTA. A maior prova disso? O Discurso do Rei, que, na última hora, desbancou A Rede Social, considerado favorito absoluto. Só que essa tendência não é de hoje, ela já se repetiu em anos anteriores: Avatar também foi outro desbancado de última hora. Na lista de atores e atrizes, nem vale a pena discorrer muito. Basta lembrar da vitória repentina de Sandra Bullock, que, em prêmios menores e em listas de associações, sequer aparecia numa batalha que parecia destinada para Carey Mulligan e Meryl Streep. Ou seja, esse negócio de previsões para o Oscar logo no início vale mais pela diversão em si do que necessariamente tentar adivinhar quem vencerá o prêmio da Academia. Entrando nessa diversão, fiz breves comentários sobre três listas que foram divulgadas recentemente.

A Associação de Críticos de Nova York já começou elegendo The Artist como filme do ano – o que não me convence muito, já que parece extremamente improvável a ideia de ver premiações como Globo de Ouro e Oscar consagrando um filme preto-e-branco e mudo. Principalmente depois de um ano em que o “clássico” foi homenageado pelo Oscar com O Discurso do Rei, o que irritou muita gente. E, se for uma obra-prima, o filme de Michel Hazanavicius tem a cara daqueles filmes que são ignorados solenemente pelas estatuetas. Nas atuações, a Associação confirma a ideia de que a temida direção de Phyllida Lloyd em A Dama de Ferro não deve ser problema para Meryl Streep, que foi eleita a melhor atriz. A surpresa ficou com Brad Pitt, escolhido como melhor ator por Moneyball e A Árvore da Vida (o filme também foi coroado com uma merecida vitória para o excelente Emmanuel Lubezki). Jessica Chastain foi a melhor coadjuvante por Vidas Cruzadas, A Árvore da Vida e Take Shelter, enquanto Albert Brooks foi o coadjuvante do ano por seu trabalho em Drive. Confira a lista.

Já o Independent Spirit Awards confirma a tendência de que The Descendants, novo filme de Alexander Payne (vencedor do Oscar de roteiro por Sideways e diretor do meu filme favorito, As Confissões de Schmidt) terá grande presença nas premiações. É certo dizer que essa é uma premiação do cinema independente, mas, como a obra foi a que mais se destacou entre os indicados, podemos defini-la como a principal representante desse segmento na temporada de prêmios – sem contar que ser estrelado por George Clooney sempre ajuda muito. O preocupante da lista é ver Glenn Close, dada como a primeira da fila para vencer o próximo Oscar de atriz, sequer figurou na principal categoria de interepretação feminina, enquanto sua colega, Janet McTeer foi nomeada como coadjuvante, o que comprova que eles viram sim o filme e que a ausência de Glenn Close é por falta de votos mesmo. A categoria, portanto, deve ter Michelle Williams como vencedora por My Week With Marilyn… e devo destacar minha felicidade ao ver Lauren Ambrose, atriz do seriado Six Feet Under, sendo reconhecida (ainda não vi Think of Me, mas tenho um carinho grande por Lauren). Conheça todos os indicados.

Por fim, o National Board of Review escolheu Hugo como o filme do ano. Um pouco estranho. Mesmo que nunca seja prudente desconfiar de Scorsese, não acredito que essa aventura comandada pelo diretor tenha maior espaço em outros prêmios. Mas, como já dito, nunca vale a pena desconfiar de Scorsese (que também ganhou como melhor diretor). No top 10 do NBR, pelo menos duas surpresas. Primeiro, J. Edgar, que tinha naufragado após críticas negativas. Segundo, Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2. A última parte da saga do bruxo parecia esquecida (é o preço que se paga pelo lançamento distante da temporada de premiações), mas é estimulante ver que ainda se lembram do filme – que merece sim receber honrarias por seu espetacular capítulo final. A atriz do ano foi Tilda Swinton, por We Need to Talk About Kevin, algo que não causa nenhum espanto, já que a atriz é boa e muito tempo atrás já existia buzz para ela. Clooney ficou, novamente, como melhor ator. Senna também foi lembrado, ficando entre os cinco documentários do ano, comprovando o erro da Academia ao tê-lo excluído da lista de pré-selecionados. Acesse a lista.

O que podemos concluir com essas três listas é que ainda é muito cedo para afirmar qualquer coisa. A disputa está extremamente desfocada e não é certo dizer que já existe um franco favorito, em qualquer categoria. Também vale lembrar que certas obras ainda não foram conferidas, a exemplo de Tão Forte, Tão Perto, do queridinho do Oscar, Stephen Daldry. Ainda tem muita coisa para rolar… Nem que seja para o Oscar desmentir tudo depois. O que vale é a diversão!

4 comentários em “Independent, Board, New York

  1. Reinaldo, como eu disse no texto, gosto de falar sobre favoritos ao Oscar lá pela época do BAFTA mesmo, onde tudo já está mais ou menos definido…

    Daniel, eu gostei de ver o nome da Lauren Ambrose no Independent =)

    Bruno, acho que esse ano é da Meryl. Até agora, pelo menos. Vai que a situação se reverte com o GG e o SAG, como aconteceu no ano da Sandra Bullock…

  2. Concordo contigo. Ainda é muito cedo parar cravar apostas certeiras. Mesmo assim esse é o jogo da corrida para o Oscar. Além do mais, com o anúncio do NYFCC , do NBR e do Independent Spirit Awards, podemos relembrar algumas curiosidades em relação ás categorias de atuação:

    1 – Nos últimos três anos, a vencedora do NYFCC perdeu o Oscar. Logo, ganhar o NYFCC pode não significar muita coisa. Pior, pode significar uma certa maldição: O NYFC premiou Annete Benning, Meryl Streep e Sally Hawkins nos últimos três anos. Nenhuma delas venceu o Oscar, sendo que a última sequer foi indicada.

    2. O NBR pode ser ainda mais falho para prever quem vence o Oscar. Ano passado, Lesley Manville levou o prêmio. Tilda Swinton pode, infelizmente, ter o mesmo destino. A última a vencer o NBR e o Oscar foi Helen Mirren em 2006.

    Acrescento ainda o Academy Satellite Award , primeira premiação de academia que você esqueceu de mencionar. Eles divulgaram os indicados no dia 02 e a lista trouxe algumas surpresas.Talvez o Satellite sirva para dar um Up na candidatura de nomes que estavam esquecidos. Carnage, por exemplo, sumariamente ignorado até então, obteve duas indicações. Aliás, eles confirmaram a o ocorreu no Festival de Veneza indicando Waltz e Winslet e não Foster na categoria de Coadjuvantes.

  3. Muito feliz em ver a menção a Bellflower no Independent Spirit. Tive a opotunidade de conferi-lo num festival aqui em BH e gostei MUITO.
    Pena que assim como outros ótimos independentes (Another Earth, Martha Marcy May Marlene) serão ignorados pelas grandes premiações.

  4. Bons comentários Matheus, como sempre. Mas discordo de algumas observações suas. Acho sim que algumas características da temporada de premiações podem ser pressentidas neste momento – ainda que mais que isso seja mera diversão como vc qualificou.
    Agora, os casos de Avatar e O discurso do rei aventados por ti exigem um contexto maior. Como vc disse, não é de hoje. Há muito tempo, o Oscar e o Globo de ouro usam bússolas diferentes. E O discurso do rei, em particular, foi o primeiro filme a vencer o Oscar que não havia vencido o Globo de ouro, o Critic´s choice awards ou o prêmio da crítica de Los Angeles. É um ineditismo a ser considerado.
    E sinceramente acho que The artist pode roubar uma vaguinhas aí. Dou como certa sua inclusão em comédia/musical nos Globos.
    Agora, estou tão satisfeito e intrigado quanto você com essas escolhas iniciais na temporada de premiações. E vamo que vamo…
    Aquele abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: