Melhores de 2011 – Roteiro Adaptado

Não deve existir, em 2011, filme com roteiro mais ousado e surpreendente do que A Pele Que Habito. O texto faz um casamento perfeito com a direção, trazendo um longa cheio de reviravoltas no melhor estilo Pedro Almodóvar. Por sinal, é uma das raras vezes em que o diretor aposta em uma adaptação para fazer um filme. Enganou-se quem pensava que, em função disso, Almodóvar pudesse perder a sua essência como roteirista. O que acontece é justamente o oposto: depois do fraco Abraços Partidos, ele retomou as rédeas de seu estilo inconfundível e apresentou um trabalho excepcional. A Pele Que Habito, baseado no livro Tarântula, traz todos os elementos que sempre fizeram do diretor também um excelente roteirista, como a questão da identidade sexual e as famílias problemáticas. Um resultado no mínimo instigante, onde é impossível ficar indiferente a um resultado tão polêmico e, acima de tudo, diferente. Almodóvar não perdeu a capacidade de se reinventar. E o roteiro de A Pele Que Habito é o exemplo mais recente de sua carreira que comprova isso.

HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE – PARTE 2

O trabalho de Steve Kloves em ambas as partes finais de Harry Potter foi maravilhoso. Só que a última é a verdadeira coroação de Kloves como roteirista. Impressiona como ele conseguiu reunir os milhares de elementos da obra original de J.K. Rowling em um roteiro bem organizado e pontuado com ação e drama. Claro que, para o público leigo, alguns aspectos da história não ficam tão consistentes como deveriam, mas, no geral, o roteiro de As Relíquias da Morte – Parte 2 não deve em nada para os outros impressionantes aspectos do desfecho da saga.

VEJO VOCÊ NO PRÓXIMO VERÃO

Subestimada estreia de Philip Seymour Hoffman atrás das câmeras, Vejo Você no Próximo Verão merecia reconhecimento, também, pelo ótimo roteiro de Robert Glaudini, que adaptou a sua própria peça homônima. É importante como o texto, junto com a direção de Hoffman, nunca deixa o resultado com um tom teatral. Por isso, discussões sobre solidão e relacionamentos aparecem no filme de forma muito natural e eficiente, em uma história que faz um ótimo contraste entre um casal despedaçado e outro que está aprendendo como a vida pode ser bem melhor com alguém ao lado. Merecia mais atenção.

TUDO PELO PODER

George Clooney, Grant Heslov e Beau Willimon adaptaram a peça Farragut North com uma inegável qualidade. O roteiro, talvez, seja o ponto alto de Tudo Pelo Poder, um filme que lida com vários persongens e subtramas mas que nunca se perde ao misturá-los. A política, no filme de George Clooney, é acessível e instigante como há tempos não víamos no cinema. E o trio de roteiristas merece todos os elogios por esse texto subestimado que, inclusive, merecia ter vencido o Oscar 2012 em sua respectiva categoria. Outra prova do amadurecimento de Clooney atrás das câmeras (também como roteirista).

A ÚLTIMA ESTAÇÃO

Assim como o trio responsável pelo roteiro de Tudo Pelo Poder, Michael Hoffman apostou na simplicidade para adaptar o livro The Last Station: A Novel of Tolstoy’s Last Year, de Jay Parini. Seria fácil, em um tema como esse, cair em armadilhas intelectuais e tornar o filme um exemplar pedante sobre a vida Tolstói. Não é o que acontece no roteiro de Hoffman, que prefere falar não só sobre os ideais do escritor, mas também sobre o complicado relacionamento que ele tinha com a mulher e sobre as pessoas em sua volta. E essa falta de pretensão, por si só, já justificaria elogios para o roteiro.

EM ANOS ANTERIORES: 2010Direito de Amar | 2009Dúvida | 2008Desejo e Reparação | 2007Notas Sobre Um Escândalo

_

Escolha do público:

1. A Pele Que Habito (52,17%, 12 votos)

2. Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2 (26,09%, 6 votos)

3. Tudo Pelo Poder (21,74%, 5 votos)

4. A Última Estação (0%, o votos)

5. Vejo Você no Próximo Verão (0%, 0 votos)

8 comentários em “Melhores de 2011 – Roteiro Adaptado

  1. Ghuyer, digamos que “A Última Estação” entrou para completar a categoria haha

    George, exatamente! Erro meu. Obrigado pela correção!

    Alex, discordamos em praticamente tudo =/

    Reinaldo, gosto demais do roteiro de “Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2”.

  2. Excelente escolhas. Eu não incluiria aí o último HP, mas não dá para dizer que é uma inclusão injusta. Fico com o voto da relatoria. O texto de A pele que habito é um assombro.
    Abs

  3. Para ser franco, com exceção de “Tudo Pelo Poder”, acho todos os roteiros selecionados medíocres, uma vez que as resoluções apresentadas neles são insatisfatórios: não gosto da previsibilidade que invade o extenso flashback de “A Pele Que Habito”, rezei o terço para “As Relíquias da Morte – Parte 2” acabar de uma vez, não gostei nem um pouco de “Vejo Você no Próximo Verão” e aquele romance de James McAvoy em “A Última Estação” não convence.

    • George, o Matheus não disse que era a primeira adaptação da carreira do Almodóvar. No texto consta: “é uma das raras vezes em que o diretor aposta em uma adaptação para fazer um filme”.

      • Ghuyer, pior que eu me enganei e disse que era a primeira adaptação mesmo. Arrumei a frase logo depois do George ter me lembrado disso. Só esqueci de agradecê-lo pela correção =)

      • Opa! Rateio meu então! Hueheuheuhe | Ignore meu comentário, George!

  4. Campeão merecido! Só discordo da menção a A Última Estação, cujo roteiro achei a pior coisa do filme. E não vi Vejo Você no Próximo Verão. No lugar desses dois, eu indicaria Planeta dos Macacos: A Origem e X-Men: Primeira Classe.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: