41º Festival de Cinema de Gramado: Éden, de Bruno Safadi

edenfilme

Quando esteve no 39º Festival de Cinema de Gramado com o longa-metragem A Tiro de Piedra, o diretor mexicano Sebastián Hiriart comentou, na apresentação anterior à exibição, que esperava que o público amasse ou odiasse seu filme, sem meios termos. Segundo ele, não existe nada pior que a indiferença, e é até melhor odiar demais um filme do que simplesmente não ter qualquer reação. Lembro que atendi às preces do diretor e não fiquei indiferente: quase morri de sono durante A Tiro de Piedra. Já com Éden, de Bruno Safadi, aconteceu justamente o oposto: enquanto boa parte da plateia do 41º Festival de Cinema de Gramado não se mostrou nem um pouco entusiasmada com o filme estrelado por Leandra Leal, entendia por completo a aversão desse público – mas nem por isso concordava com ele. Para mim, Éden vai totalmente de encontro com o que Hiriart falou sobre o seu longa: é uma experiência diferente e estranha (no sentido que você quiser empregar a esse adjetivo), e só por isso já merecia não ser conferido com qualquer indiferença.

Não é fácil falar sobre Éden, assim como também não é fácil assisti-lo. Pelas mais diversas razões. A sinopse (mulher de 30 anos que perde o marido assassinado e, grávida, passa a frequentar os cultos de uma igreja evangélica) indica a possibilidade de Bruno Safadi ter realizado um grande dramalhão ou uma denúncia descontrolada sobre a manipulação de toda e qualquer religião. Nada disso. Longe disso, melhor dizendo. Contemplativo, o diretor carioca realiza um longa-metragem que não se desenvolve necessariamente a partir de fatos. Quando Éden começa, Karine (Leandra Leal) já perdeu o marido. E não sentimos falta dessa explicação ou de maiores detalhes. Isso porque o enredo está mais interessado em retratar o que acontece no interior da protagonista: seus sentimentos e angústias nessa jornada solitária para tentar se reencaixar de alguma forma no mundo. Trabalhando muito por meio de simbolismos (vários planos são impactantes, mas todos com algo a dizer), o filme também aposta em idas e vindas no tempo e certas liberdades narrativas (não espere respostas para tudo) para construir o emocional de sua protagonista.

Com essa caminho mais diferenciado e sem muitas concessões, Safadi entrega uma obra desafiadora, que não tem qualquer intenção de entregar tudo mastigado ou simplificado para o espectador. É uma mistura no mínimo inusitada e nada universal, cujo aceitamento depende da identificação cinéfila de cada pessoa com a proposta narrativa e estética. Ainda que de duração curta (75 minutos), Éden parece maior, muito por causa de seu ritmo e de seu tom contemplativo. Mas vale a pena embarcar na história para apreciar pelo menos dois trunfos inegáveis: o desempenho de Leandra Leal (merecidamente premiada com um segundo Kikito de melhor atriz no 41º Festival de Cinema de Gramado) e a forma como Safadi desenvolve a questão da religião. Bem como em O Mestre, Éden entra na cabeça do espectador, levando-o por completo para aquela lavagem cerebral que é o evangelismo, que se aproveita do sofrimento alheio para arrecadar dinheiro, que penetra nas mentes por de discursos repetitivos e que tem um líder cheio de vigor e convencimento.

Nesse sentido, merecem destaque os desempenhos de Júlio Andrade e João Miguel, como o fiel irredutível e o firme pastor, respectivamente. Ambos nunca caem em exageros, ao contrário do que a essência da história permitiria. Mas Leandra Leal é quem reina, construindo uma personagem que, visto à desgraça que vive, encontra-se quase em estado de transe. O melhor da abordagem da protagonista é que ela não abraça por completo as ideias evangélicas ou se torna uma religiosa fervorosa. É apenas uma mulher perdida, procurando algo para se salvar. Para narrar tal jornada, Éden é muito sensitivo, de cores fortes e marcantes, com um trabalho sonoro excepcional (a loucura da religião e o atordoamento da protagonista são também desenvolvidos pela trilha, que chega a incomodar e perturbar), mas não são todos que vão comprar as ideias de Bruno Safadi, e menos ainda aqueles que vão apreciar o conjunto. Entretanto, só por ser diferente, fora do convencional e bem realizado (mesmo que não arrebatador), já merecia certo apreço. Não é sempre que vemos experiências novas – e coerentes – como essa no cinema nacional.

2 comentários em “41º Festival de Cinema de Gramado: Éden, de Bruno Safadi

  1. Júlio Andrade e João Miguel são dois atores que dispensam apresentações. Eles são muito bons. Fiquei curiosa em relação a esse filme e espero que tenha uma boa distribuição nas salas de cinema brasileiras, ao invés de ficar restrito ao circuito dos festivais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: