Stephen Daldry dirigirá “Wicked” (e, por enquanto, os musicais agradecem)

billyelliotmusical

Cena do musical Billy Elliot, dirigido por Stephen Daldry com músicas de Elton John nos palcos londrinos. A experiência do diretor dá credibilidade para a adaptação de Wicked para o cinema.

Eis que ontem, depois de muito, mas muito tempo, o gênero musical recebeu a sua notícia mais empolgante em sabe-se lá quantos anos: o britânico Stephen Daldry finalmente foi oficializado como o diretor da adaptação cinematográfica de Wicked, o clássico musical da Broadway que estreou em 2003 fazendo uma releitura do igualmente emblemático O Mágico de Oz. A notícia é boa porque Daldry tem currículo: debutou no cinema com o delicadíssimo e inspirador Billy Elliot para depois lançar filmes marcantes como As Horas, uma obra-prima que só se engrandece com o tempo, e outros de bastante repercussão, a exemplo de O Leitor, que finalmente deu o Oscar de melhor atriz para Kate Winslet. Praticamente invicto no Oscar (até com o mediano Tão Forte e Tão Perto ele conseguiu chegar em pelo menos uma das categorias principais do prêmio), Daldry só murchou por completo com Trash: A Esperança Vem do Lixo, o que pode ser reflexo de uma falta de timing que só aumenta as credenciais do diretor para comandar Wicked: durante a produção do filme, ele dava os toques finais à versão musical de seu Billy Elliot para os palcos londrinos. 

A notícia é das mais empolgantes porque já faz um bom tempo que o gênero não marca época. Há quem tenha tentado bastante nos últimos anos, mas é bem provável que o último musical que tenha feito a cabeça de gerações seja mesmo Moulin Rouge! – Amor em Vermelho (que, recentemente, completou 15 anos de lançamento) ou, para quem gosta, Chicago, longa de Rob Marshall vencedor do Oscar de melhor filme. Por falar em Marshall – que, aliás, nunca me convenceu nem mesmo com o celebrado musical estrelado por Renée Zellweger, Catherine Zeta-Jones e Richard Gere – sejamos justos: não há cineasta que tenha mais investido no gênero do que ele recentemente. A lástima disso tudo é que os projetos foram todos ladeira abaixo, pois Marshall conseguiu desgraçar o promissor Nine, um filme de elenco monstruoso (Daniel Day-Lewis! Judi Dench! Nicole Kidman! Sophia Loren!) onde apenas Marion Cotillard brilhava e saía ilesa, e aborrecer meio mundo com a perdida miscelânea de personagens de fantasia no pavoroso Caminhos da Floresta.

musicalnine

Não há quem tenha investido mais em musicais nos últimos anos do que o diretor Rob Marshall, mas Marion Cotillard, em Nine, foi o único aspecto memorável de seus trabalhos pós-Chicago.

Houve, em certa época, a febre dos musicais que homenageavam bandas icônicas, como Across the Universe, que cantava Beatles, Mamma Mia!, que colocava Meryl Streep a pular de macacão na Grécia com os clássicos do ABBA. Ambas produções interessantes e deliciosas com suas particularidades de descontração e tributos, mas comandas por profissionais inexperientes demais no cinema e construídas a partir de canções e não de uma história propriamente dita, o que só aumentava a sensação de que tudo era mais diversão do que propriamente cinema. O gênero quase alçou voo novamente com Dreamgirls – Em Busca de Um Sonho, filme que parecia ter o pacote completo para se tornar um marco: parte técnica irrepreensível, escala considerável de produção, um diretor de gabarito (Bill Condon, de Deuses e MonstrosKinsey – Vamos Falar Sobre Sexo) e um repertório poderoso. O erro? Selecionar um elenco inexperiente, onde é priorizado o poder vocal (Beyoncé dispensa comentários e Jennifer Hudson ganhou o Oscar por cantar no cinema após ter perdido o American Idol) do que a singularidade da atuação (pouco a pouco descobríamos que Jamie Foxx era um canastrão, e não aquele furacão que nunca deslanchou pós-Ray). O que fica na memória a respeito de Dreamgirls é o coletivo de notas deliciosamente estridentes alcançadas por Beyoncé e especialmente Hudson na cena de And I Am Telling You I’m Not Going. Só que, novamente, faltou cinema e, principalmente, uma narrativa consistente.

musicalhairspray

Hairspray – Em Busca da Fama é espirituoso, tem ótimas coreografias e compreende bem a função da música em uma narrativa. O que faltou foi a crítica ser menos avessa ao seu clima despretensioso, ingênuo e sonhador.

Outras obras surgiram mais tímidas e, por suas dimensões infinitamente menores e propostas que se distanciavam por completo da “seriedade” que tantos críticos exigem para valorizar um musical, não receberam o carinho que mereciam. É o caso do afetuoso Hairspray – Em Busca da Fama, que, apesar de incluir em seu repertório algumas musicas perfeitamente dispensáveis, tinha clara noção de como conduzir uma história a partir da música. Além do irresistível elenco, o filme de Adam Shankman contagiava e despertava uma grande nostalgia, mas tudo isso talvez fosse colorido e alegre demais para que muitos dessem o braço a torcer. Descolorindo o universo musical, veio Tim Burton com seu Sweeney Todd – O Barbeiro Demoníaco da Rua Wellfleet, que representou, tanto para Burton quanto para seu parceiro Johnny Depp, o último momento expressivo de suas carreiras que viriam a ruir dali em diante. Esse é outro caso onde o diretor compreende a função da música, muito provavelmente até demais para que todos conseguissem abraçar cada diálogo cantado de um universo que ainda era muito próprio de Tim Burton, afunilando ainda mais a força de seu apelo. Na linha de entender à risca a estrutura clássica de um musical, arrisco dizer (e já estou preparado para os detratores), que ninguém tenha executado melhor a fórmula do que Tom Hooper no grandioso Os Miseráveis. Por outro lado, Tom Hooper já era odiado mundialmente pelo Oscar que levou por O Discurso do Rei e teve que pagar o preço, com público e crítica, pela campanha ostensiva que realizou para conquistar (injustamente) o prêmio mais cobiçado do cinema.

O que quero dizer é que não basta o musical ser um gênero muito específico por si só. Nos últimos anos, mesmo aqueles que eventualmente eram projetos bacanas e mereciam ser reconhecidos de alguma forma, foram acometidos por uma série de variantes igualmente específicas. Não encontramos, no cinema recente pós-Moulin Rouge! ou Chicago, um exemplar do gênero que fosse devidamente adorado por uma expressiva maioria. Tivemos desastres, é verdade, e isso amplia a nossa sede por musicais que possam finalmente mostrar, com a frequência que tantos outros gêneros mostram, que experiências do estilo podem voltar a ser superlativas. Claro que aqui ou ali me delicio cantarolando as canções até dos musicais que não gosto (é a doença de quem é um apaixonado incondicional pelo gênero!), mas, quando surgem notícias como a de Rob Marshall misteriosamente recebendo novo voto de confiança no segmento para dirigir uma sequência de Mary Poppins (ainda não entendo o que se passa na cabeça dos estúdios para mexer com clássicos!), minha esperança vai por água abaixo. Entretanto, essa é uma semana mais feliz. Nenhuma combinação parece mais certeira do que Stephen Daldry envolvido com Wicked. Estou com os dedos cruzados desde agora.

4 comentários em “Stephen Daldry dirigirá “Wicked” (e, por enquanto, os musicais agradecem)

  1. Vibrei muito com a notícia de que Stephen Daldry dirigirá a adaptação cinematográfica de “Wicked”. O musical mais bem-sucedido dos anos recentes merecia um diretor como ele. Ansiosa para ver o resultado final disso e, desde já, estou na torcida para que ele chame Kristin Chenoweth e Idina Menzel para os papeis que elas, originalmente, interpretaram na Broadway.

    Além disso, fica também a expectativa para que tenhamos um musical decente no cinema, já que, desde “Chicago” e “Moulin Rouge!” não tivemos mais filmes impactantes nesse gênero.

    • Kamila, acho que, se “Wicked” for realizado em terras britânicas, são grandes as chances de termos Kristin Chenoweth e Idina Menzel nos papeis. Elas merecem! Já se a produção for hollywoodiana, acho muito complicado, infelizmente.

  2. “Moulin Rouge é obra prima, um dos meus filmes favoritos, Chicago é pavoroso, e Os Miseráveis….só se salvam Eddie Redmayne e Anne Hathaway, pois o restante é horrível !!!”

    • Tiago, eu entendo perfeitamente quem detesta “Os Miseráveis”, mas fico feliz de encontrar alguém que reconheça Eddie Redmayne nesse filme. Para mim, a vaga que Robert De Niro roubou de última hora no Oscar de ator coadjuvante por “O Lado Bom da Vida” era toda dele!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: