Heroísmo sem prazo de validade

merylsthreeÉ proibido envelhecer em Hollywood. Mais ainda se o artista em questão tem uma carreira vitoriosa. Já foi dito sobre Madonna na música e podemos muito bem atribuir também a Meryl Streep no cinema: sua maior ousadia foi ter se permitido envelhecer na indústria. Imaginem então quando essa indústria é a dos Estados Unidos (a europeia é outro papo, ainda que qualquer prêmio para Maggie Smith por Downton Abbey seja vítima de críticas)! Em Hollywood, as grandes ou não viveram para contar novas histórias de glória (Vivien Leigh, por exemplo, morreu com apenas 54 anos) e outras que consideramos ícones chegaram ao fim da vida – e da carreira – sem um terço do prestígio que alcançaram ao início dela, como Bette Davis, cuja última indicação ao Oscar se deu 27 anos antes de sua morte, comprovando que, já à beira dos anos 1990, uma diva como ela já sofria para encontrar chances à altura apesar da constante atividade nas telas.

Só que Meryl Streep, que recebe, no próximo domingo (08), o troféu Cecil B. DeMille no Globo de Ouro em homenagem ao conjunto de sua obra, colocou abaixo tudo o que era predestinado para atrizes que, como ela, alcançam glória e sucesso quando jovens, mas parecem fadadas a estacionar sua relevância e reconhecimento em algum momento da filmografia. Hoje com 67 anos, Meryl segue trabalhando. E brilhando. Mais ainda: ganhando prêmios. Por isso mesmo é tão cobrada, e misteriosamente tão criticada. Heroísmo tem prazo de validade em Hollywood, o que com certeza está representado em sua figura. Se você é boa, já ganhou uma penca de prêmios e provou ser capaz de fazer qualquer papel, não pense duas vezes: ou você arrasa ou não será digna de qualquer coisa. Se estrear filme todo ano, então, a coisa só piora. Vira over, sem consistência, indigna de reconhecimento. No caso de Meryl, a cobrança ainda vai além: é preciso não somente que ela arrase a cada trabalho, mas que também esteja gravando com o alto escalão de Hollywood. Qualquer coisa abaixo desse escopo é motivo para chamá-la de superestimada, repetitiva e até mesmo preguiçosa.

Só quem não conhece a fundo a carreira de Meryl pode dizer que ela já foi uma atriz de grandes filmes e hoje decepciona nesse sentido. Com exceção de Kramer vs. Kramer (que, de fato, é um arraso e faturou importantes Oscars como os de filme, direção e roteiro), os papeis mais célebres da atrizes não estão em obras superlativas: A Escolha de Sofia envelheceu muito mal e é basicamente lembrado apenas pelo magnífico desempenho Meryl (com toda razão), As Pontes de Madison é amado ao redor do mundo, mas, na época, basicamente só foi indicado a prêmios de melhor atriz, O Diabo Veste Prada veio se tornar sensação apenas depois de muito tempo (desbancando as críticas mornas feitas ao filme na época de seu lançamento) e A Dama de Ferro, que lhe rendeu um terceiro Oscar, dispensa comentários pela ruindade. Se a exigência é ter Meryl fazendo filme grande, vamos lembrar de Entre Dois Amores, que também ganhou uma penca de Oscars (sete especificamente), mas que quase nunca é citado como um belo momento da carreira da atriz. Olhando em retrospecto, é muito simples: Meryl Streep escolhe papeis, não filmes. É fundamental entender isso antes de criticar a média de qualidade dos longas protagonizados por ela hoje (e só o fato de uma atriz com quase 70 anos lançar no mínimo um por ano em uma indústria sexista e intolerante ao envelhecimento já deveria ser algo a se comemorar).

golden-globe-the-iron-lady-4Perto de conseguir sua vigésima indicação ao Oscar pela comédia Florence: Quem é Essa Mulher? (e por isso a existência desse post, que tenta trazer um pouco de ponderação ao ânimos exaltados de muita gente que condena uma nova menção à atriz nos prêmios), Meryl Streep é frequentemente cobrada por não trabalhar com grandes diretores. Mas, afinal, onde estão os filmes de Woody Allen, Martin Scorsese e Quentin Tarantino não para Meryl, mas para qualquer atriz da idade dela? Eles simplesmente não existem. É por isso que ela precisa mesmo fazer filmes com Nancy Meyers, Phyllida Lloyd, David Frankel e Rob Marshall. Mesmo em papeis inferiores ao seu talento, continua na vitrine, trabalhando, exercitando talento e se mantendo ativa, o que já é infinitamente mais do que a média alcançada por outras colegas de sua geração. Há ainda a crítica de que ela monopoliza todos os papeis para intérpretes de sua idade, mas existe uma razão para isso além de sua excelência como atriz (afinal, muitas outras veteranas se equiparam sim a ela nesse quesito): ao longo da carreira, Meryl Streep construiu nome na indústria ao reivindicar salários melhores, palpitar na execução dos projetos que assinava e recusar papeis sexistas ou de pura figuração quando o envelhecimento bateu a sua porta. Claro que ser mulher em Hollywood é complicado, mas muito também vem do que a uma atriz se submete ou não. Recentemente, Robin Wright e Emmy Rossum deram um show quando ameaçaram não renovar para novas temporadas de House of CardsShameless, respectivamente, caso não passassem a receber salários iguais ao dos protagonistas masculinos. Venceram, e certamente serão lembradas por isso. Meryl Streep sempre compreendeu tal ideia desde sempre e, não à toa, o que colhe hoje é resultado de anos reforçando esse posicionamento.

Independente de fazer filmes incríveis, medianos ou horríveis (isso é muito relativo, pois acho, por exemplo, As HorasDúvida, verdadeiros filmaços), a veterana, ao consolidar diversidade e níveis muito grandes de atuação na carreira, vive hoje a bênção e a maldição de ser Meryl Streep. Mas é preciso um bom senso maior do público, que cobra aspectos fantasiosos ou que estão simplesmente fora do alcance da atriz. Em seu ofício, ela faz tudo muito bem – e, aqui ou ali, também se dá o direito de apenas se divertir ao entrar em um set de cinema. Um prazer para poucos. E se há excessos em prêmios, a culpa não é dela (que nunca faz campanha), e sim dos prêmios. Quando o Globo de Ouro exibir clipes de sua carreira amanhã, o que mais ficará evidente – e isso ninguém lhe pode tirar – é a absurda versatilidade de uma carreira rica em representações: do nazismo à gastronomia, passando por passarelas da moda e bruxarias na floresta, não há quem se equipare na riqueza de papeis. No caso dela, nesse momento específico do prêmio, a qualidade dos filmes dificilmente estará em questão. O que será lembrado é exclusivamente a inegável excelência alcançada por ela em uma infinidade de papeis ao longo de décadas e centenas de prêmios, comprovando que, ao contrário de quase todos os casos, o heroísmo de Meryl Streep não tem prazo de validade. Ainda bem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: