Cinema e Argumento

Across the Universe

Music’s the only thing that makes sense anymore, man. Play it loud enough, it keeps the demons at bay.

Direção: Julie Taymor

Elenco: Jim Sturgees, Evan Rachel Wood, Joe Anderson, Dana Fuchs, Martin Luther

EUA, 2007, Musical, 131 minutos, 12 anos.

Sinopse: Década de 60. Jude (Jim Sturgess) e Lucy (Evan Rachel Wood) estão perdidamente apaixonados. Juntamente com um grupo de amigos e músicos, eles se envolvem nos movimentos da contracultura de Liverpool, tendo como guias do dr. Robert (Bono Vox) e o sr. Kite (Eddie Izzard).

2007 foi o ano da música no cinema. Depois de Dreamgirls e Hairspray, o cinema americano ainda produziu Não Estou Lá e Apenas Uma Vez, ambos ainda inéditos no Brasil. Mas foi esse Across The Universe que mais chamou a atenção do público cult. Basicamente porque se baseia no repertório dos Beatles para contar uma história de amor em tempos de repressão. O que poderia ser um mar de previsibilidade feito apenas para puxar o saco da banda acabou se tornando em um musical satisfatório, totalmente livre da imagem dos Beatles. Longe de qualquer apelo comercial, Across The Universe é um musical diferente por causa de sua imagem de cinema independente.

Em diversos momentos, o filme lembra Moulin Rouge! – Amor em Vermelho, pelo simples fato de utilizar todo o esplendor estético e visual das cenas para aumentar o impacto dos números musicais, principalmente nas cores vibrantes e nos efeitos visuais. A produção não é requintada, mas o apelo visual é grande. O repertório dos Beatles se encaixou perfeitamente na história, com músicas que realmente funcionam e conquistam nas cenas em que são respectivamente tocadas, como Hey JudeStrawberry Fields Forever. E alguém não ficou apaixonado com o final ao som de All You Need is Love? Simplesmente memorável! Mesmo eu não sendo fã cego da banda, acabei completamente envolvido pelas músicas.

Fiquei mais do que satisfeito com a escolha do elenco. Jim Sturgess foi o que mais me cativou: tem todo o carisma necessário para o papel e canta muito bem (lembrando muito a voz de Ewan McGregor no musical de Baz Lührmann). Grande revelação. Evan Rachel Wood, apesar de um pouco apagada, continua comprovando o seu talento, que foi apresentado anteriormente em Aos Treze. Praticamente todos do elenco são desconhecidos, mas ficaram perfeitos em seus papéis, sem nenhuma exceção. Ainda tem pequenas participações do Bono, do U2 (em aparição bem descartável e inútil) e da Salma Hayek (que pediu uma ponta para a diretora Julie Taymor, com quem havia trabalhado anteriormente em Frida).

Agora as reclamações. A duração é  excessiva isso fica evidente durante seu desenvolvimento, que fica sem ritmo em vários momentos. Esse é um defeito que pesa bastante na minha avaliação. Também achei que tem muita música para pouca história. São raros os momentos em que os ouvidos podem descançar da cantoria. Algumas tomadas também se excedem na excentricidade, principalmente aquela do circo imaginário, completamente chata. Apesar desses defeitos quase debilitantes para o andamento de tudo, Across The Universe tem um bom resultado. A inclusão dele na categoria de melhor filme comédia/musical no Globo de Ouro, junto com Hairspray, é mais uma prova de que esse gênero voltou com tudo nesses últimos tempos. Voltou para conquistar novos fãs com suas temáticas cada vez mais atraentes.

FILME: 7.5


Melhores de 2007 – FILME

Abaixo, o meu ranking dos melhores filmes de 2007 (sendo os 5 primeiros incluidos na categoria de melhor filme), principal categoria da premiação (com trechos de críticas publicadas anteriormente aqui no blog):

ultimato-bourne.jpg

1. O ULTIMATO BOURNE

6 Indicações: Filme, Diretor, Roteiro Adaptado, Elenco, Montagem, Som/Efeitos Sonoros

2 Vitórias: Filme e Som/Efeitos Sonoros

O Ultimato Bourne é o melhor filme da franquia, o melhor filme do ano, o melhor filme da carreira de Matt Damon e o melhor filme de ação que já vi. O Ultimato Bourne exala perfeição em quase todos os poros. Não esperava um filme tão bem arquitetado e interessante. O amadurecimento estético, visual e cinematográfico ficou muito evidente nesse terceiro volume”

ratatouille.jpg

2. RATATOUILLE

4 Indicações: Filme, Roteiro Original, Montagem, Som/Efeitos Sonoros

1 Vitória: Roteiro Original

É impressionante os detalhes da produção, os rostos são bem construidos(nada desproporcional), os animas são repletos de detelhes minímos. Além disso, temos uma ótima trilha sonora, cenas de ação bem fluidas  um excelente roteiro, que mantém o espectador sempre atento à deliciosa história. Seguramente, conquista adultos e crianças.”

hairspray.jpg

3. HAIRSPRAY – EM BUSCA DA FAMA

9 Indicações: Filme, Ator Coadjuvante, Elenco, Revelação, Canção (2), Maquiagem, Figurino, Direção de Arte.

2 Vitórias: Canção e Revelação

“O que mais chama a atenção em Hairspray é o seu fabuloso elenco. Diante de todo o charme do filme e de um elenco tão bom, fica fácil perdoar os erros do roteiro. Hairspray pode até não ser glamouroso ou impressionante, mas de tão sicero e adorável, conseguiu me conquistar. Se o objetivo era ressucitar essa simpática época, foi muito bem cumprido. Procure ouvir a trilha sonora, que é uma das melhores dos últimos tempos. É diversão garantida”

notas-sobre-um-escandalo.jpg

4. NOTAS SOBRE UM ESCÂNDALO

5 Indicações: Filme, Roteiro Adaptado, Atriz, Atriz Coadjuvante, Trilha Sonora

1 Vitória: Roteiro Adaptado

Ajudado pela excelente trilha sonora de Philip Glass, é cheio de belas cenas onde as grandes interpretações se afloram. A projeção não se leva pela enrolação: tudo é rápido e objetivo, acertando também na ácida narração em off. Apesar de não trazer nada de inovador, é um dos melhores filmes da safra de 2007.”

o-despertar-de-uma-paixao.jpg

5. O DESPERTAR DE UMA PAIXÃO

4 Indicações: Filme, Roteiro Adaptado, Revelação, Trilha Sonora

1 vitória: Melhor fotografia.

“Não dá pra entender como esse lindo drama passou completamente despercebido nas salas de cinema e nas premiações. O roteiro de Ron Nyswaner conduz tudo sem pressa, de forma simples, atrativa e até mesmo emocionante em seus momentos finais.  O Despertar de Uma Paixão também se beneficia por ter dois ótimos protagonistas.  Esse drama merece e muito ser descoberto, pois é um dos melhores trabalhos desse ano.”

o-ultimo-rei-da-escocia.jpg

6. O ÚLTIMO REI DA ESCÓCIA

2 Indicações: Ator e Roteiro Original.

1 Vitória: Ator

“Surpreendente drama político com direção do Oscarizado documentarista Kevin MacDonald, que flui muito bem, conseguindo misturar drama, tensão e política na medida exata. Nunca deixa sua qualidade cair e é um dos filmes mais surpreendentes do ano, que merece ser mais reconhecido.”

the-queen.jpg

7. A RAINHA

7 Indicações: Atriz, Roteiro Original, Revelação (2), Trilha Sonora, Figurino, Direção de Arte.

1 Vitória: Trilha Sonora

“A atuação de Mirren é ótima, expressando nuances de dores contidas e de soberania, fazendo com acreditemos que estamos mesmo em frente de uma grande rainha.  O trabalho do diretor Stephen Frears também me encantou, que dá um show na direção, nunca caindo em dramas baratos ou exageros. A trilha sonora de Alexandre Desplat é soberba, usada nos momentos exatos e ideais.”

pecados-intimos.jpg

8. PECADOS ÍNTIMOS

4 Indicações: Ator, Atriz, Ator Coadjuvante, Roteiro Adaptado.

Nenhuma vitória.

“No mundo de Todd Field, a vida suburbana é cheia de angústias e tragédias, que são mostradas de forma muito subjetiva e silenciosa. Kate Winslet brilha novamente (como se isso fosse alguma novidade) e Patrick Wilson surpreende em cena. Pecados Íntimos é um bom filme, que muitas vezes lembra um livro que está sendo lido na sala de cinema. As angústias, os medos e as indecisões são mostradas de forma bem realista. O diretor continua mostrando muita competência na direção.”

babel4.jpg

9. BABEL

5 Indicações: Atriz Coadjuvante, Roteiro Original, Trilha Sonora, Montagem, Elenco

2 Vitórias: Direção e Montagem

“Fica evidente para o espectador que o ponto forte são as grandes atuações do filme, onde todos são coadjuvantes. As histórias e os assuntos abordados em Babel são excelentes, que se maximizam com a interpretação dos atores. Aqui tudo é muito aprofundado e intenso e a direção do filme é excelente.”

piaf2.jpg

10. PIAF – UM HINO AO AMOR

3 Indicações: Atriz, Figurino e Maquiagem.

1 Vitória: Atriz.

“Cotillard encarnou a cantora Edith Piaf de forma assustadora e vai muito além da mera aparência física – ela é pura emoção, explodindo talento em todas as cenas em que lhe exigem poder dramático. O longa também é muito bem produzido em sua parte técnica, em especial maquiagem, direção de arte e figurinos.”

Melhores de 2007 – Direção

inarritu.jpg

Melhor Direção

– Alejandro González Iñárritu, por Babel

Não sou muito fã de Babel. Quer dizer, adoro o filme, mas não o acho uma obra-prima como muitos apontam. No entanto, fiquei completamente maravilhado e surpreendido com a grande direção do competente Alejandro González Iñárritu que, apesar de não ter realizado seu melhor filme (ainda fico com Amores Brutos), apresentou sua melhor direção. Maduro e minimalista, o preciso trabalho de Iñárritu é o aspecto mais positivo do filme, junto com as ótimas interpretações do elenco. Se o Oscar desse ano tivesse sido por merecimento (afinal, Scorsese só levou porque deviam pra ele) certamente a estatueta seria de Babel. Realizando o filme de forma quase documental, Iñárritu acertou nesse estilo, que acaba fluindo muito bem em suas mãos. Se tivéssemos uma maior agilidade no roteiro, o filme seria ainda melhor. De qualquer forma, ele acaba sendo o melhor diretor do ano, ao menos na minha perspectiva. É o único trabalho do diretor onde a direção se sobressai ao filme.

OUTROS INDICADOS:

clint.jpg

Clint Eastwood, por Cartas de Iwo Jima. É difícil acreditar que um filme de guerra do porte de Cartas de Iwo Jima seja dirigido por um senhor de idade avançada como Clint Eastwood. Mas se tratando do veterado diretor, nada é surpreendente. Depois de roubar a cena (literalmente!) quando tirou o Oscar de Scorsese coma sua Menina de Ouro, Clint retorna ao cinema com dois grandes filmes. Mas foi a versão japonesa que mais se destacou. Utilizando um tom muito humano e deixando de lado batalhas intermináveis ou sangue pra todo o lado, o diretor deu uma aula de como se fazer um filme de guerra sem que ele caia no tédio ou na chatice. Um grande feito, diga-se de passagem.

paul-greengrass.jpg

Paul Greengrass, por O Ultimato Bourne. É inegável que Paul Greengrass é um diretor mais do que promissor. Depois de toda a incrível habilidade demonstrada em Vôo United 93, ele investiu em O Ultimato Bourne, onde conseguiu me surpreender mais ainda (feito que não conseguiu com o volume anterior da série). Com a câmera na mão – nada de tripés, inclusive nas cenas de ação e correria – ele deu mais uma prova de que é um talentoso diretor, sendo um dos melhores do atual cinema de Hollywood. Não apenas realizou o melhor filme desse ano, como repaginou a série e conseguiu fãs que a série não tinha nos capítulos anteriores. E eu me incluo nessa categoria.

david-fincher.jpg

David Fincher, por Zodíaco. Como todos podem ver, através da minha lista de indicados desse ano, não sou muito fã de Zodíaco, apesar de ter gostado muito do resultado do filme. Contudo, é impossível deixar de lado a ótima direção do competente David Fincher que fez com que esse filme de mais de 2h30 não se tornasse um tédio em nenhum momento. Comandando o suspende com grande habilidade e segurança, Fincher também foi excelente ao dirigir o elenco, arrancando grandes interpretações de todos os atores (especialmente de Jake Gyllenhaal e Mark Ruffalo). Teria mais chances se eu gostasse mais do filme. De qualquer forma, merece créditos pela ótima direção.

frears.jpg

Stephen Frears, por A Rainha. A cada filme que produz, o diretor Stephen Frears sobe mais no meu conceito. Depois de Ligações Perigosas, Coisas Belas e Sujas e Senhora Henderson Apresenta, ele me conquistou definitivamente com seu elegante trabalho em A Rainha. Com um jeito único de contar histórias, sem nunca cair em clichês ou no melodrama barato, Frears fez desse seu último trabalho, um dos melhores de sua carreira. Utilizando um estilo mais documental e tons de dramas contidos, ele realizou um dos melhores trabalhos do ano que com certeza é extremamente digno de sua indicação nessa minha categoria. Frears ainda chegará a conquistar um Oscar, e ficarei muito contente ao vê-lo vencedor.

Melhores de 2007 – Atriz

piaf1.jpg

Melhor Atriz

– Marion Cotillard, por Piaf – Um Hino Ao Amor

A maquiagem que favorece o desempenho de Marion Cotillard na cinebiografia da cantora francesa Edith Piaf é mero detalhe de uma grande interpretação que foi a mais comentada depois do destaque dado para Helen Mirren e sua personificação da rainha Elizabeth. Mesmo que o filme seja extremamente convencional e falho no seu relato cronológico dos fatos, Marion conseguiu se sobressair, apresentando um desempenho simplestemante brilhante. Conquistando o favoritismo para o Oscar de Melhor Atriz em 2008, ela superou todos os outros trabalhos do ano, realizando o melhor trabalho feminino apresentado no cinema em 2007. Por mais que tenha que vencer as barreiras do prenconteito da Academia com estrangeiros, Marion vai com toda a força para o Oscar, levando a grande torcida da crítica especializada.

OUTROS INDICADOS:

dench.jpg

Judi Dench, por Notas Sobre Um Escândalo. Judi Dench é uma atriz que tive extrema dificuldade em apreciar. O único trabalho dela que eu realmente havia gostado era Sra. Henderson Apresenta. Mas eis que ela surge com esse seu poderoso desempenho, que é o melhor entre os personagens femininos fictícios desse ano. Com uma complexidade única, a personagem Barbara Covett foi vivida de forma impecável pela atriz, que realizou a melhor interpretação de toda a sua carreira. Além disso, está num filme maravilhoso, com um roteiro que favorece completamente seu desempenho. Mesmo que tenha uma linda companheira de cena (Cate Blanchett), ela domina completamente o setor de atuação.

helenmirren.jpg

Helen Mirren, por A Rainha. Antes do surgimento de Marion Cotillard e sua Edith Piaf, era Helen Mirren a dona do cargo de Melhor Atriz do ano. Vencedora do Oscar por seu trabalho no filme de Stephen Frears, Mirren deu um show de atuação no filme, utilizando as palavras de forma única e os tons de voz exatos para demonstrar toda a soberania da rainha Elizabeth. De longe, foi o maior destaque de um filme que tem vários aspectos brilhantes. Extremamente memorável e inesquecível, o trabalho de Mirren é um daqueles que vai ficar no hall de “personificações” mais conhecidas do cinema contemporâneo. Contida e sublime, por pouco não venceu nessa categoria.

bug.jpg

Ashley Judd, por Possuídos. Sem dúvida alguma essa é a triz mais injustiçada desse ano, por causa do fracasso comercial do filme e da pouca atenção que recebeu da crítica, que não foi muito positiva em seus comentários. Fiquei com a impressão de que o filme poderia ser melhor, mas é completamente impossível ficar indiferente ao soberbo desempenho de Ashley Judd, que apresenta o melhor trabalho de sua carreira. Surpreendente e poderosa, roubou completamente a cena e fez uma parceria brilhante com o ótimo Michael Shannon. Além de ser um personagem muito perturbador, é atraente por causa da competência de Ashley. Merece uma segunda chance.

little1.jpg

Kate Winslet, por Pecados Íntimos. Das indicadas, essa foi a atriz que mais perdeu força desde a estréia do seu filme. Ficou na minha lista apenas por causa de minha admiração por Winslet e por ser um bom desempenho, ainda que não o melhor da atriz em um filme dramático. Versátil e poderosa, Winslet não está especialmente marcante em Pecados Íntimos, até porque divide a tela com outros competentes atores, mas conseguiu apresentar mais um bom trabalho para a sua brilhante carreira, que com certeza um dia lhe levará ao Oscar. No entanto, Kate Winslet foi merecedora dessa indicação sim, com todos os méritos. Além de ter dado um impulso à sua carreira.

Outros destaques de 2007: Angelina Jolie (O Preço da Coragem), Annette Bening (Correndo Com Tesouras), Charlize Theron (No Vale das Sombras), Fernanda Torres (Saneamento Básico), Hilary Swank (Escritores da Liberdade), Kirsten Dunst (Maria Antonieta) e Nicole Kidman (A Pele).

Melhores de 2007 – Ator

whitaker.jpg

Melhor Ator

– Forest Withaker, por O Último Rei da Escócia

O ator Forest Whitaker conseguiu um grande feito no excelente O Último Rei da Escócia. Durante boa parte do filme, ele é uma figura encantadora e magnética, atraindo completamente o espectador. Aos poucos, vai se tornando em alguém perigoso e irracional, que se revela um verdadeiro perigo. Interpretações mutantes como essas são difíceis de se achar, e esse estilo me agrada particularmente. Por esse motivo, Whitaker leva o meu prêmio de melhor ator do ano. Fica claro que o filme não é totalmente dele, afinal James McAvoy fez um brilhante trabalho, mas o maior destaque acaba sendo ele. Premiado com o Oscar e o Globo de Ouro, entre outros, Forest Whitaker foi bastante elogiado, mas seu filme não teve maior destaque porque não se saiu muito bem entre a crítica e o público. Como adoro O Último Rei da Escócia, é impossível eu ficar indiferente ao ótimo trabalho do ator.

OUTROS INDICADOS:

wagner.jpg

Wagner Moura, por Tropa de Elite. Se pedissem para eu escolher a maior revelação nacional do ano, não pensaria duas vezes: Wagner Moura. Além de ter feito um bom trabalho naquela pavorosa novelinha da Globo, celebrou a vitória em Saneamento Básico. Mas foi com Tropa de Elite (filme celebrado em excesso, na minha opinião “do contra”) que ele se firmou como um dos melhores, se não o melhor, ator de sua geração. Ele vai muito além dos gritos que seu personagem exige ou das cenas pesadas; ele consegue trazer verossimilhança para o personagem, que se torna cada vez mais interessante, especialmente nas memoráveis narrações em off. Pena que eu não gostei tanto do filme.

otuli.jpg

Peter O’Toole, por Vênus. É inegável que Peter O’Toole apresentou uma ótima interpretação em Vênus. Apesar do visível desgaste físico, conseguiu surpreender com uma minimalista atuação. Pena que ela esteja em um filme tão monótono e fraco, onde o roteiro não envolve. O’Toole dá o melhor de si, assim como o resto do elenco (destaque para Jodie Whitaker). Ele consegue dar muita humanidade a esse personagem solitário, confuso e complexo. Gosto bastante do seu estilo de interpretar, mas o fato de eu não ter gostado do filme, acabou influenciando minha opinião em relação ao desempenho. Um trabalho competente e surpreendente para a idade do ator.

patrick-wilson.jpg

Patrick Wilson, por Pecados Íntimos. Muito se falou dos desempenhos de Kate Winslet, Jackie Earle Haley e até mesmo de Jennifer Connelly, mas quase ninguém parece ter gostado do desempenho de Patrick Wilson, a não ser eu. Para quem tinha feito trabalhos completamente inexpressivos como O Fantasma da Ópera, Patrick Wilson conseguiu se superar, mantendo-se no mesmo nível de excelência de atuação dos que seus companheiros de tela. Seu estilo não é baseado em choros, sotaques ou maneirismos, mas em silêncios contidos e olhares observadores. Pena que não conseguiu espaço nas premiações, pois certamente era merecedor de uma indicação.

tommy.jpg

Tommy Lee Jones, por No Vale das Sombras. O desempenho de Tommy Lee Jones é o maior acerto do novo filme de Paul Haggis. A princípio ele pode não convenver muito mas, na medidada em que o tempo avança, acabamos nos envolvendo com sua emoção contida e com sua vontade de encontrar o verdadeiro culpado pela morte do filho. É a melhor interpretação do longa e as maiores chances do filme para conseguir alguma indicação nas futuras premiações. Acredito que ele chegará ao Oscar, pois seu trabalho é muito merecedor. Teria mais força se o papel fosse mais humano e tivesse uma dimensão dramática maior.

Outros destaques de 2007: James McAvoy (O Último Rei da Escócia), Leonardo DiCaprio (Diamante de Sangue), Matt Damon (O Ultimato Bourne e O Bom Pastor)Michael Shannon (Possuídos), Richard Gere (O Vigarista do Ano), Will Ferell (Mais Estranho Que a Ficção) e Will Smith (À Procura da Felicidade).

Melhores de 2007 – Atriz Coadjuvante

imelda.jpg

Melhor Atriz Coadjuvante

– Imelda Staunton, em Harry Potter e a Ordem da Fênix

Na pele de Dolores Jane Umbridge, a sádica professora de defesa contra as artes das trevas, Imelda Staunton roubou completamente a cena e arrasou em uma perfeita caracterização da odiada personagem criada por J.K Rowling em Harry Potter e a Ordem da Fênix. De longe, ela é a maior e melhor figura do mal já representada na série, até mais que Voldemort e Snape. Também é a grande interpretação de Harry Potter, pois nunca nenhum outro ator conseguiu chegar perto de tal brilhantismo. Talvez muitos achem que eu estou superestimando a interpretação da atriz, mas levem em consideração que tenho uma admiração cega por ela, uma vez que a atriz conseguiu me conquistar em todos os seus trabalhos que já tive a oportunidade de conferir. Ao mesmo tempo em que consegue despertar ódio no espectador, Imelda causa ótimas risadas, tornando-se um dos mais interessantes personagens já inseridos na trama cinematográfica de Harry Potter. Como eu havia previsto, não vai ser lembrada para o Oscar de coadjuvante; o que é uma pena, já que merecia concorrer.

OUTRAS INDICADAS:

blanchett.jpg

Cate Blanchett, em Notas Sobre Um Escândalo. Assim que assisti o filme de Richard Eyre, achei o papel de Cate Blanchett fácil demais. É um dos poucos papéis que a atriz está completamente livre de maquiagens e sotaques, sendo puramente “Cate Blanchett”. Mas ainda bem que ela não se restringiu a uma interpretação simples e convencional: deu alma à ingênua Sheba Hart e, apesar de seu desempenho ser inferior ao da sua companheira de tela, não ficou atrás em nenhum momento na qualidade de sua interpretação. Destacando-se em diversos momentos (especialmente no brilhante “duelo” final com Judi Dench), Notas trouxe para Blanchett uma de suas melhores interpretações.

rinko.jpg

Rinko Kikuchi, em Babel. Já não é de hoje que papéis de mudas me conquistam. Se Holly Hunter me impressionou com O Piano, Rinko Kikuchi também chamoi minha atenção em Babel. Totalmente submersa no papel de uma garota muito problemática, complexa, carente e com problemas de afeto, Kikuchi mostrou grande competência, arrasando com sua ótima interpretação merecedora de Oscar. De todos os atores do elenco, ela é a que mais se destaca. Caso resolva investir na carreira, deve obert grande êxito, devido ao seu enorme potencial. Espero que continue atuando, pois talento e capacidade não lhe faltam. Só não sai vencedora em minha lista porque tenho muito afeto por Imelda Staunton.

cordeiros-meryl.jpg

Meryl Streep, em Leões e Cordeiros. Muitas pessoas já andam dizendo que indicar Meryl Streep já é algo clichê, que ela já se tornou uma hors concours e que não necessita mais da atenção das premiações. Discordo totalmente. Ficar ambivalente aos seus brilhantes trabalhos é uma heresia. Ela não está brilhante em Leões e Cordeiros, mas é a melhor interpretação do filme de Redford. A cena em que ela questiona seus princípios de jornalista ao chegar na redação onde trabalha já justifica essa sua indicação. O destaque para o ótimo desempenho da atriz foi completamente afetado pelo fracasso do filme. Mas como eu sempre digo: uma boa atuação sempre supera um fracasso.

dream3.jpg

Jennifer Hudson, em Dreamgirls – Em Busca de Um Sonho. Fiquei irritado quando Hudson venceu o Oscar de coadjuvante esse ano. Não que ele não seja merecido, afinal ela é o grande destaque do filme, mas o impacto sua performance ficou totalmente escondido através de sua poderosa e impactante voz. Ela é mais cantora do que atriz. No entanto, não desmereço seu grande trabalho, que conseguiu me cativar, especialmente na arrepiante cena em que a atriz canta “And I Am Telling You I’m Not Going”. Deixando todo o resto do elenco comer poeira (literalmente!), Jennifer Hudson foi a grande surpresa do filme, e com todos os méritos.

Outros destaques de 2007: Adriana Barraza (Babel), Emma Thomspon (Mais Estranho Que a Ficção), Joan Allen (O Ultimato Bourne), Julie Walters (Lições de Vida), Margo Martindale (Paris, Te Amo), Michele Pfeiffer (Hairspray – Em Busca da Fama), Sharon Stone (Bobby), Sandra Bullock (Confidencial) e Susan Sarandon (No Vale das Sombras).

Melhores de 2007 – Ator Coadjuvante

Melhor Ator Coadjuvante

Casey Affleck, por O Assassinato de Jesse James Pelo Covarde Robert Ford

Logo quando foi lançado, O Assassinato de Jesse James Pelo Covarde Robert Ford atraía atenções apenas para o aguardado desempenho de Brad Pitt, que venceu o Festival de Veneza na categoria de melhor ator. Contudo, ninguém previu que Casey Affleck iria roubar a cena completamente. A mistura de ingenuidade e ambição do covarde Robert Ford do título é expressa de forma impecável pelo ator, que arrasa no papel e deixa Brad Pitt muito ofuscado.

OUTROS INDICADOS:

earle.jpg

Jackie Earle Haley, em Pecados Íntimos. De todos os personagens desse ano, o pedófilo de Pecados Íntimos é, sem dúvida, o mais difícil. O personagem exige uma certa generosidade do espectador, que dificilmente vai conseguir entendê-lo e aceitá-lo. Sabendo dessas barreiras com o público, o competente Jackie Earle Haley utilizou um desempenho contido nos momentos certos e explosivo nos mais impactantes. Disputando o “palco” com a soberba Kate Winslet e com o surpreendente Patrick Wilson, Jackie não ficou atrás, muito pelo contrário – mostrou incrível potencial e talento. Não é um estilo de atuação que particularmente me agrada, mas não posso deixar de reconhecer tal excelência.

Djimon Houson, em Diamante de Sangue. O africano Djimon Houson já havia demonstrado ser um excelente ator por conta de seu ótimo desempenho em Terra de Sonhos. Aqui em Diamante de Sangue ele reforçou sua excelência e apresentou o desempenho que ficou praticamente o ano inteiro como o melhor coadjuvante, sendo ultrapassado apenas no fim do ano por Casey Affleck. Djimon é a emoção do longa e consegue ser muito melhor que Leonardo DiCaprio. Foi merecidamente indicado ao Oscar por sua atuação e merecia ser o vencedor, sendo bem mais marcante que o próprio vencedor da categoria, o veterano Alan Arkin, por Pequena Miss Sunshine. Mas um dia Djimon deve chegar lá.

john-travolta.jpg

John Travolta, em Hairspray – Em Busca da Fama. É muito errado da parte de quem diz que a interpretação de John Travolta só ganha contornos cômicos por causa da maquiagem, que o tornou bizarro. Os trejeitos e o tom de voz que o ator criou o transformaram em um personagem curioso e pra lá de divertido, o que mais chama a atenção no delicioso musical. Sua participação é grande e é uma das principais apostas do filme para conseguir indicação ao Oscar. Caso obtenha uma nomeação, será merecido, pois fazia bastante tempo que Travolta não entregava um desempenho tão excelente como esse. Emergindo de grandes tragédias, ele conquistou como Edna Turnblad.

Tom Wilkinson, em Conduta de Risco. Sempre tive muito respeito por Tom Wilkinson, que arrasou em seu memorável papel em Entre Quatro Paredes e conseguiu dar vida a um filme com pouco charme, Mentiras Sinceras. Seu papel nesse Conduta de Risco é de certa forma bem limitado se comparado as presenças de Tilda Swinton e George Clooney, mas Wilkinson aproveita cada minuto do seu tempo em cena, conseguindo alcançar um ótimo desempenho que não deve em nada para os seus companheiros de cena em nenhum momento. Mais uma prova da grandiosidade desse excelente e subestimado ator, que ainda não teve seu merecido reconhecimento por conta da crítica.

Outros destaques de 2007: Alfred Molina (O Vigarista do Ano), André Ramiro (Tropa de Elite), Brad Pitt (Babel), David Strathairn (O Ultimato Bourne), Dustin Hoffman (Mais Estranho Que a Ficção), Michael Sheen (A Rainha).

%d blogueiros gostam disto: